Acompanhando os lançamentos

Lançamento em Brasília

Foto histórica com os convidados de honra no lançamento do filme em Brasília, no dia 18 de setembro de 2011

Cônsul Aldemo Garcia, Flávia Jardim, Professor Carlos Alberto Antunes Maciel, Serafim Jardim, Charles Cesconetto, Anna Christina Kubitschek Pereira, Silvestre Gorgulho, Embaixador Paulo de Tarso Flecha de Lima, Embaixatriz Lucia Flecha de Lima, Maria Estela Kubitschek Lopes e o empresário Paulo Octávio Alves Pereira

O Museu Nacional recebeu grande público na apresentação do filme, que contou, na abertura, com apresentação de seresteiros e até um show de Juca Chaves. Depois da exibição, a Embaixada da França recebeu o público com um coquetel especial.

Público no Museu Nacional. Na primeira fileira: Cel Affonso Heliodoro, Sen. Rodrigo Rollemberg, Paulo Octávio, Anna Christina K., Maria Estela K., Gov. do DF Agnelo Queiroz, Sra. Ilza Queiroz, Embaixador da França Yves Saint-Geours

Lançamento em São Paulo

JK no Exílio foi lançado em São Paulo, na Livraria Cultura, no dia 21 de novembro. O evento foi organizado por Fábio Chateaubriand e  teve o diplomata Celso Lafer como convidado de honra.

Charles Cesconetto, Carlos Alberto Antunes Maciel, Maria Estela Kubitschek Lopes, Celso Lafer, Serafim Jardim e Fabio Chateaubriand

Celso Lafer apresentando suas considerações sobre o filme JK no Exílio

Celso Lafer lembra que Juscelino Kubitscheck só se sentia à vontade no Brasil. Viver, forçado, fora dele era uma dura provação. Foi um penoso desterro. Teve que conviver com a perda das condições de sustento da vida, com a privação da liberdade cívica, com a privação da convivência com os amigos, os familiares e o povo, com a dificuldade de encontrar a paz da alma, com a desonra de ver a sua reputação contestada e injuriada pela ação política do regime militar, com o cerceamento de sua liberdade da palavra pela ação dos serviços de inteligência.

Professor Carlos Alberto Antunes Maciel, idealizador do documentário, faz uma análise do flme, do ponto de vista histórico.

Carlos Alberto Antunes Maciel comenta que há a história dita longa, Braudeliana, de Lucien Febvre, há a história enquanto processo, dita história Hegeliana, e a história das lágrimas, também chamada história de Michelet. Para Carlos Maciel, em JK no Exílio há um pouco de cada uma delas.

Maria Estela Kubitschek Lopes expõe o significado que o filme tem para ela.

Este documentário é um  momento mágico na história de Juscelino. É um resgate histórico muito importante, pois poucas pessoas conhecem este episódio. Principalmente porque a história de Maria Alice era desconhecida e agora foi contada. Juscelino sempre ia a Paris, levava sua família e tinha a França como uma referência de sociedade. A primeira vez ele foi como estudante, a segunda como presidente eleito, recebido e condecorado com a Legion d’honeur, e neste momento ele vai à França em uma condição completamente diferente, como exilado. Mas ele escolheu isto, porque ele se sentia bem. Provavelmente, ficou chocado com as perseguições que sofreu na França, que tanto admirava, e, decepcionado, nunca revelou aos familiares o que havia passado em Paris e o que Maria Alice estava sofrendo. Provavelmente, por isso, em 1965 foi para Nova Iorque, ao invés de retornar a Paris.

Lançamento em Florianópolis

Em Florianópolis, o filme foi lançado, em 22 de novembro de 2011, na Fundação Cultural BADESC. Além da presença especial de Maria Estela Kubitschek e Serafim Jardim, personalidades, a equipe que realizou o documentário, parentes e amigos.

Maria Estela Kubitschek Lopes e Maria Emília de Azevedo

Público na sala de projeção da Fundação Badesc. No primeiro plano, Jonathas Mello, da Geofilmes.

Lançamento no Rio de Janeiro

Em 28 de novembro de 2011, lançamento no Museu da República, Palácio do Catete, com grande público e presenças ilustres. O patrocínio ficou por conta da OAB do Rio de Janeiro.

O filme foi exibido ao ar livre, no jardim do Museu.

Deputado Federal Otávio Leite e o presidente da OAB do RJ, Wadih Damous.

Valéria Valença e Hans Donner

Sra Magaly Cabral, Charles Cesconetto, Paulo Niemeyer e Maristela Kubitschek.

Sra Magaly Cabral, Charles Cesconetto, Paulo Niemeyer e Maria Estela Kubitschek.

Representando a OAB do Rio de Janeiro, Marcelo Oliveira, Marcus Vinicius e Wadih Damous

O mestre de cerimonial oficial do filme JK no Exílio, Jornalista Silvestre Gorgulho.

Murilo Mello Filho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s